texas-moody
Blog

Webinar do Centro Knight reúne especialistas globais para discutir a cobertura, ciência e distribuição de vacinas COVID-19

Em dezembro de 2020, quando as primeiras vacinas começaram a ser distribuídas ao redor do mundo, os jornalistas foram encarregados de passar da cobertura sobre a pandemia para a cobertura de um esforço global de imunização sem precedentes. Esperava-se que eles se tornassem especialistas em vacinas da noite para o dia, cobrindo tudo, desde testes clínicos até distribuição.

Para ajudar os jornalistas a ampliar sua experiência, o Centro Knight para o Jornalismo nas Américas da Universidade do Texas em Austin fez uma parceria com a Unesco e a Organização Mundial da Saúde (OMS) para oferecer um webinar gratuito sobre o desenvolvimento de vacinas. O webinar, que aconteceu em 29 de janeiro, foi parcialmente financiado pela União Europeia. Agora disponível online em espanhol, inglês, português, francês, árabe, chinêse russo. Uma versão em hindi será publicada em breve. O webinar foi realizado em preparação ao MOOC do Knight Center sobre o mesmo tópico, a ser anunciado no JournalismCourses.org no final deste mês.

"Por um ano, jornalistas de todo o mundo se descobriram cobrindo a história mais importante de sua vida", disse Mallary Tenore, diretora associada do Centro Knight para o Jornalismo nas Américas. “Agora um esforço global de imunização está em andamento e os jornalistas têm o desafio e a oportunidade de cobrir os aspectos multidimensionais da vacina, tanto local quanto internacionalmente”.

vaccine_po

O webinar apresentou especialistas médicos, jornalistas de ciência e pesquisadores, oferecendo conselhos sobre como informar melhor sobre o desenvolvimento e o lançamento de vacinas. Milhares de pessoas participaram do seminário on-line ao vivo, e as gravações do YouTube obtiveram mais de 7.000 visualizações em todo o mundo.

O evento foi dividido em três seções e moderado pela jornalista de saúde e ciência Maryn McKenna, que é pesquisadora sênior do Centro de Estudos de Saúde Humana da Emory University em Atlanta, Geórgia, EUA.

O primeiro painel apresentou cinco jornalistas de ciência que discutiram as melhores práticas para cobertura de vacinas e como combater informações falsas e campanhas de desinformação. No segundo segmento, especialistas em ciência e saúde explicaram como os jornalistas deveriam abordar a cobertura vacinal sem exagerar nos novos desenvolvimentos. No painel final, os pesquisadores discutiram os desafios logísticos e socioeconômicos da distribuição internacional de vacinas.

“O ano passado deveria ter ensinado ao mundo que o jornalismo independente e profissional é absolutamente vital”, disse Guy Berger, diretor de liberdade de expressão e desenvolvimento de mídia da Unesco. “Quase todos hoje podem facilmente perceber que os jornalistas são essenciais para monitorar a variedade de respostas à pandemia”.

Usando uma lente global para relatar vacinas

Hoje, os jornalistas estão tentando fornecer informações sobre um esforço global de imunização que é extremamente complexo. As vacinas em si são diferentes em todo o mundo e a capacidade de acessá-las depende da região.

Webinar-Covid19-vacinas-350x234Embora os jornalistas de ciência do primeiro painel tenham reconhecido que pode ser difícil para os repórteres lidar com a cobertura do COVID-19 mesmo em nível local, eles enfatizaram a necessidade de pensar sobre a pandemia globalmente também, incluindo acesso desigual às vacinas.

Por exemplo, na América Latina a implantação da vacina foi quase inexistente até agora, segundo o jornalista argentino Federico Kukso. Por causa disso, os jornalistas latino-americanos frequentemente abordam a implantação por meio de lentes sociopolíticas.

“Estamos vendo como outros países estão vacinando nesse meio tempo, principalmente porque, como vocês sabem, na América Latina não temos muitas vacinas”, disse Kukso, que é membro do conselho da Federação Mundial de Jornalistas de Ciência. “A região tem sido negligenciada ou ignorada pelas empresas farmacêuticas, apesar de países como Argentina, Peru, Chile, onde muitos dos ensaios clínicos dessas vacinas foram realizados”.

O jornalista francês Yves Sciama ecoou a necessidade de se concentrar em questões geopolíticas, dizendo que o lançamento da vacina deu aos jornalistas a oportunidade de expandir além da reportagem estritamente técnica e focar na história maior.

“A questão das vacinas é uma ferramenta muito boa para os jornalistas chegarem ao cerne de como nossas sociedades funcionam e sobre nossos valores”, disse Sciama. “Quem recebe a vacina com prioridade? Isso diz muito sobre nossas sociedades. "

Outro tópico destacado pelos cientistas foi a onda de desinformação que se tornou seu próprio tipo de doença.

“Nas últimas semanas e meses, ouvimos histórias absurdas sobre vacinas de microchip espião ou vacinas que transformam pessoas em jacarés, por exemplo. É estranho, mas aconteceu aqui no Brasil”, disse André Biernath, repórter da BBC Brasil e presidente da Rede Brasileira de Jornalistas de Ciência.

Os jornalistas de ciência devem desacreditar essas informações, mas também devem respeitar e responder às dúvidas das pessoas, acrescentou.

Biernath destacou que, no Brasil, esse tipo de desinformação vem do governo, enquanto Kukso disse que é um problema da grande mídia, principalmente daqueles que se opõem ao governo.

"Eles prestam muita atenção aos efeitos adversos das vacinas", disse Kukso. “A mídia sabe que o medo atrai cliques e, nesses tempos de crise da imprensa, isso é muito importante”.

Como cobrir vacinas

Ao cobrir o lançamento da vacina de um ponto de vista global, é importante que os jornalistas priorizem uma cobertura que seja prática para as pessoas em todo o mundo, principalmente aquelas que ainda não têm acesso às vacinas, segundo especialistas do segundo painel. O jornalismo que simplesmente repete as taxas de eficácia pode estar perdendo seu significado, dizem os especialistas. As informações podem ser opressivas e até enganosas sem o contexto adequado.

Science experts panel for webinar

CW from top L: Maryn McKenna, Ana Maria Henao Restrepo, Purvi Parikh, Angela Rasmussen

Ana María Henao-Restrepo, que trabalha com a OMS na preparação e resposta às emergências de saúde, disse que é importante que os jornalistas não exagerem no papel das vacinas. É tentador, diz ele, para os jornalistas aproveitarem o entusiasmo em torno das vacinas e das taxas de eficácia, mas isso prejudica o seu público global.

“Está muito na moda e é muito sexy falar sobre vacinas e lançar números sobre a eficácia da vacina, mas para a pessoa comum que está ouvindo, essa pessoa pode receber a mensagem errada de que não pode fazer nada até que a vacina atinja seu braço", disse Henao-Restrepo. "Mas hoje elas podem fazer muito."

Embora explicar a ciência por trás das vacinas seja importante para combater a desinformação e a desinformação sobre vacinação, os jornalistas devem continuar a relatar os métodos de prevenção que comprovadamente reduzem a transmissão, disseram os cientistas.

Tópicos como uso de máscara, distanciamento social e lavagem das mãos são tão importantes hoje quanto eram há um ano, disseram eles. Relatar essas questões dá às pessoas em todo o mundo mais capacidade de agir em sua resposta à pandemia, independentemente de seus países já estarem distribuindo vacinas ou não.

"É sobre o controle global desta pandemia e não se uma vacina funciona um pouco melhor em uma população do que em outra", disse a coronavirologista Angela Rasmussen.

Desafios logísticos com distribuição de vacina

Ainda outra parte da responsabilidade dos jornalistas em reportar sobre vacinas será cobrir os desafios da distribuição. O problema é duplo. Existem problemas logísticos com a administração das vacinas e também problemas com a forma como as vacinas são percebidas. Por meio de reportagens confiáveis ​​e transparentes, os jornalistas podem começar a lançar luz sobre essas questões, de acordo com ppesquisadores e especialistas no terceiro segmento do webinar.

Um dos principais problemas logísticos na distribuição de vacinas é a necessidade de manter uma rede refrigerada necessária para garantir a potência de uma vacina. Sem essas temperaturas de congelamento, uma vacina pode estragar. As temperaturas podem ser difíceis de manter, especialmente em áreas rurais e de baixa renda. A cadeia de frio aliada à distribuição desigual da vacina tem causado desigualdades no acesso entre os países.

Distribution panel at COVID vaccine webinar

CW from top L: Maryn MKenna, Katie O'Brien, Claire Hannan, Scott Ratzan and Josh Michaud

Katherine O'Brien, que trabalha na Organização Mundial da Saúde, acrescentou que alguns países se comprometeram a receber mais vacinas do que o número de pessoas em seu país. Ele disse que a OMS está encorajando esses países a redistribuir as vacinas adicionais.

“Esse é um problema que estamos vendo, o mundo está realmente seguindo o caminho e não apenas falando sobre alocação justa e justa?” Perguntou O'Brien. "A razão pela qual é tão importante é que não sairemos desta pandemia um país de cada vez."

Os fatos baseados em epidemiologia, ciência e economia apontam para a necessidade de uma resposta global, disse ele.

Fora dos pontos logísticos, também há um problema com a forma como as pessoas percebem as vacinas. Nos Estados Unidos, por exemplo, cerca de 33% das pessoas pesquisadas pela Kaiser Family Foundation disseram que não seriam vacinadas a menos que o trabalho ou a escola exigissem. Enquanto isso, cerca de 40 por cento das pessoas entrevistadas pela Escola de Saúde Pública CUNY relataram duvidar das vacinas COVID-19.

Os painelistas disseram que as pessoas duvidavam da vacina em grande parte porque estavam preocupadas com os possíveis efeitos colaterais. Jornalistas, disseram os palestrantes, podem ajudar a preencher essas lacunas de informação.

"Jornalistas e a mídia são provavelmente o vetor mais importante ... para levar informações às pessoas para que possam tomar a decisão certa", disse Scott Ratzan, que ensina saúde comunitária e estudos sociais na CUNY. “Cabe a todos nós ter uma comunicação criativa e inovadora que não seja apenas a mensagem, mas também a dose. Precisamos enviar a mensagem repetidamente de que é baseado na ciência e nos fatos. "

 

Encontre uma lista multilíngue de recursos para jornalistas que cobrem as vacinas COVID-19 aqui .

 

* Este artigo foi originalmente escrito em inglês e traduzido por Júlio Lubianco .