texas-moody
Blog

Necessidade e ganância: Cobrindo a COVID-19 no Sul da África

Mandi Smallhorne

Mandi Smallhorne é uma jornalista freelancer de ciência em Joanesburgo, África do Sul. Ela é presidente da Associação Sul-Africana de Jornalistas de Ciência.

Este artigo também está disponível em francês, inglês e espanhol.

 

JOANESBURGO, África do Sul – Mia Malan, diretora executiva e editora-chefe do Centro Bhekisisa para Jornalismo sobre Saúde em Joanesburgo, África do Sul, diz: “Se você deseja cobrir a COVID-19 de maneira significativa, não é bom o suficiente apenas entender a ciência.”

Em um país onde a grande maioria das pessoas é pobre e desfavorecida, é preciso “uma capacidade de combinar ciência com política e uma compreensão da injustiça social”, acrescenta ela. Como uma organização de mídia independente, financiada por doadores, focada em questões de saúde e justiça social em toda a África, o Bhekisisa desempenhou um papel crucial na cobertura sobre a pandemia desde o início.

Covering COVID-19 in the Global South

A COVID-19 chegou ao sul da África no início de março de 2020, mais uma pandemia seguindo os passos da tuberculose e do vírus da imunodeficiência humana (HIV), a epidemia na qual jornalistas de saúde como Malan, vivendo no epicentro do HIV, tinha se formado no final dos anos 1990 e início dos anos 2000.

O HIV nos ensinou a importância de fornecer o contexto socioeconômico e político em que uma doença acontece. Não se trata apenas de reportar sobre a pesquisa ou compreender os medicamentos, como diz Malan; trata-se de entender a quem você está se reportando, como essas pessoas vivem e sob quais restrições. Elas têm acesso ou dinheiro para pagar assistência médica, tratamento, nutrição para apoiar o tratamento? Elas entendem a terminologia que você usa? O jornalista científico Sibusiso Biyela diz que, ao reportar notícias para pessoas cuja língua materna não inclui palavras ou conceitos vitais para transmitir a ciência ou o curso clínico de uma doença, os repórteres precisam “descobrir rapidamente”, para encontrar maneiras de expressar o inexprimível.

Entendendo o contexto

Para cobrir efetivamente a COVID-19 no Sul da África, é importante entender como a pandemia afetou a região. Uma varredura dos últimos números em uma fonte de estatísticas como o Worldometer dá a impressão de que os países africanos não sofreram realmente como a Europa e os EUA. Em parte, isso pode ser devido à enorme “protuberância de jovens” em nossa demografia: na Zâmbia, por exemplo, mais de dois terços da população tem 24 anos ou menos, enquanto pouco mais de 5% tem mais de 55 anos; no Zimbábue, a idade média é de pouco mais de 20 anos; em Moçambique é 17,3.

Mas as lacunas nos dados podem obscurecer alguns dos impactos diretos; e este é revelado pelo excesso de mortalidade. Informados pela experiência passada com o Ebola e outras epidemias, os governos africanos reagiram rapidamente ao advento da COVID-19 com proibições de viagens internacionais e restrições internas, que tiveram consequências econômicas terríveis: “Em 2020, a África Subsaariana experimentou o pior desempenho já registrado, com uma taxa de crescimento de -1,9%, aliada a um aumento de 32 milhões de pessoas vivendo em extrema pobreza. Os sistemas de saúde, educação e outros serviços essenciais foram massivamente interrompidos. Além disso, a pressa dos países desenvolvidos para garantir suprimentos de equipamentos médicos e vacinas causou séria escassez em países de baixa e média renda, levando a resultados de saúde muito piores e aumentando a desigualdade”, como escreveu o presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, em setembro de 2020.

O Sul da África estava em más condições para enfrentar esta emergência. Um ponto crítico da crise climática, foi atingido por duas secas em rápida sucessão; muitos milhões de pessoas em países como ZâmbiaZimbábue enfrentaram fome no início de 2020, e um terço da população da Namíbia foi afetada por sua pior seca em 90 anos.

As colheitas de 2020/2021 foram notavelmente boas na África do Sul, o país mais atingido pela COVID-19. Mas está lutando para se recuperar de “uma espiral descendente de declínio acelerado”, que ganhou velocidade durante a presidência de Jacob Zuma, resultando em degeneração institucional, acusações generalizadas de corrupção e números de crescimento econômico muito abaixo do necessário para enfrentar os problemas crescentes de desemprego em massa e aprofundamento da desigualdade: menos de um quarto da população desfruta de um estilo de vida de classe média ou melhor; o vasto restante está preso na pobreza opressiva.

South Africa photo

Assentamento informal na Província Noroeste da África do Sul. (Mandi Smallhorne)

As notícias nos jornais

As redações aqui, que haviam sido absorvidas pelas demandas da política do país (e que, ao longo dos anos, abandonaram as editorias de ciência e saúde), agora tiveram que de repente se envolver em uma cobertura 24 horas por dia, 7 dias por semana, que exigia a capacidade de encontrar e questionar ciência e cientistas, acompanhar e interpretar estatísticas – e ver todas essas informações pelas lentes das realidades socioeconômicas. Mesmo organizações jornalísticas independentes dedicadas a reportagens de saúde, como Bhekisisa e Health-e News, tiveram seu trabalho difícil tentando ter uma visão de 360 ​​graus do vírus, do curso clínico da doença, do tratamento e do contexto socioeconômico.

Esse contexto rapidamente se agravou. A partir de 27 de março de 2020, a África do Sul viu a perda de centenas de milhares de empregos devido a um duro bloqueio na grande economia regional, que exerce uma atração magnética nas economias vizinhas. Os efeitos cascata foram rapidamente aparentes. “A fome e a insegurança alimentar – a interrupção da ingestão de alimentos ou padrões alimentares por falta de dinheiro e outros recursos – aumentaram na África do Sul devido à pandemia…”, segundo os professores Servaas van der Berg e Leila Patel escreveram no site The Conversation em julho de 2021.

As diferenças entre a experiência da pandemia no relativamente rico Norte Global e nossas experiências na África do Sul e região eram claras muito antes de a desigualdade das vacinas surgir: com um orçamento reduzido, um governo sul-africano que havia perdido cerca de 1,5 trilhão de rands sul-africanos (aproximadamente US$ 96 bilhões) devido apenas à corrupção, de 2014 a 2019, só poderia oferecer 350 rands por mês (cerca de US$ 22, nem perto do muito debatido nível de pobreza de US$ 1,90 por dia) por meio de um subsídio Social de Socorro, bem como algum apoio aos empregadores (o Esquema de Auxílio Temporário Empregador-Empregado). Em países vizinhos como o Zimbábue, a perda de empregos, os choques inflacionários nos preços dos alimentos e o apoio social inadequado causaram grande sofrimento.

Por menores que fossem os subsídios da África do Sul, eles fizeram uma enorme diferença; infelizmente, eles também chamaram a atenção dos abutres, desejosos de enriquecer com o pote destinado a ajudar os mais pobres. Em setembro de 2020, a ONG Corruption Watch alegava que “menos da metade das pessoas elegíveis [para os subsídios sociais] os receberam, enquanto outros tentaram reivindicá-los de forma fraudulenta”. As notícias de corrupção não paravam de chegar: corrupção em torno de licitações de equipamentos de proteção individual (EPI), fumigação de escolas e até, em um escândalo que resultou na mudança de ministro da Saúde, envolvendo uma licitação para fazer comunicações sobre a COVID-19.

South Africa

Assentamento informal na Província Noroeste da África do Sul. (Mandi Smallhorne)

Lições para a mídia

Histórias sobre corrupção e falhas governamentais são carne e bebida para os jornalistas que trabalharam nesta região nas últimas décadas. Mas, histórias sobre ciência, nem tanto.

A falta de familiaridade com as ciências e a pesquisa pode levar, como aponta Biyela, a reportagens com consequências potencialmente desastrosas. Se você não entender completamente as incertezas da ciência em evolução, é muito fácil escrever uma história muito segura, muito desqualificada (“Omicron resulta em doença leve”, por exemplo). Informar o público consumidor de mídia sobre o processo da ciência é vital, diz ele; se o leitor não entender como a ciência se desdobra e progride, declarações definitivas na reportagem podem fazê-lo sentir que está sendo enganado – o que o torna mais vulnerável à desinformação.

Alguns princípios básicos do jornalismo devem ser seguidos em matérias de ciência ou saúde, como em outras, diz Biyela:

  • Procure sempre mais de uma fonte
  • Não use comunicados de imprensa como recursos para “recortar e colar” na sua reportagem
  • Se você não entender alguma coisa, pergunte até entender
  • Não seja um puxa-saco, tanto de uma pessoa ou de ponto de vista
  • Lembre-se de que a sua tarefa é reportar para o interesse público

Como diz o professor Herman Wasserman da Universidade da Cidade do Cabo, “uma ênfase na diversidade de vozes e na conscientização do contexto social deve ser o ponto de partida para qualquer tentativa de recuperar a confiança do público”.

Combatendo a desinformação

A desinformação em torno da COVID-19 na região é galopante. Kristy Roschke, do News Co/Lab, uma iniciativa da Cronkite School, diz apropriadamente que “temos uma confluência de eventos – uma sobrecarga de escolhas, maus atores manipulando informações e plataformas, funcionários públicos empurrando uma narrativa de 'notícias falsas' e o declínio do negócio do jornalismo – que aumentaram significativamente os riscos”.

Divisões profundas, turbulência política e interferência de Estados como Moçambique na liberdade de imprensa na região Sul da África afetaram a confiança nos meios de comunicação. Mesmo na África do Sul, escreve Wasserman, “o Índice Global de Desinformação… sugere que 41% dos sul-africanos desconfiam da mídia. E preocupantes 70% têm problemas em distinguir notícias de ‘notícias falsas’”. No Zimbábue, as redes sociais são amplamente consideradas uma fonte de notícias confiáveis ​​devido à desconfiança na mídia controlada pelo Estado.

Durante a pandemia, isso aumentou a confiança em outras fontes além da “mídia convencional” – “notícias” relatadas nas redes sociais, em sites de “maus atores”, em vídeos do YouTube com altos valores de produção.

Isso tem consequências claras para a saúde pública: “Os principais problemas que impulsionam a baixa taxa de aceitação [das vacinas] incluem informações confusas e campanhas antivacinas alertando os africanos a recusar as vacinas contra a COVID-19 nas redes sociais; percepções negativas da indústria farmacêutica; preocupações sobre a confiabilidade ou fonte de vacinas; e custo para os indivíduos”, escreveram pesquisadores no The Lancet em março de 2021.

Entender as redes sociais como um canal de notícias, na verdade um canal preferido, deve levar os jornalistas a usá-las, diz Malan. Ela tem usado o Twitter com grande eficácia como ferramenta de reportagem durante a pandemia; suas longas threads no Twitter atraem pessoas famintas por informações sólidas e imediatamente são retuitadas várias vezes. Em vez de se engajar diretamente com a desinformação, ela fornece material correto e bem pesquisado. Você não está fazendo seu trabalho “se não usar os mesmos canais para fornecer as informações certas”, diz ela.

Há uma verdadeira fome de notícias nesta região, mas apenas cerca de 5% das pessoas lê jornais – algumas consomem rádio e TV, mas os canais de mídia online estão muito à frente do jogo, e nada menos que 41% da população está usando as redes sociais em toda o Sul da África. Faz sentido combater fogo com fogo.


Sobre este artigo
Este texto é parte de uma série de artigos escritos por jornalistas de ciência/saúde que ofereceram as melhores práticas e ideias sobre a cobertura da COVID-19. Esses artigos estão sendo publicados como parte de uma iniciativa do Centro Knight patrocinada pela UNESCO e com financiamento da Organização Mundial da Saúde (OMS). Para ler mais sobre os artigos, clique aqui. Além disso, acesse-os em vários idiomas aqui:

Além disso, junte-se a nós no webinar "Variantes, vacinas e medicamentos: o que os jornalistas precisam saber para melhorar a cobertura da COVID-19" na quinta-feira, 27 de janeiro, das 9h às 12h, horário central dos EUA (GMT -6). [Alternativelly, 12h às 15h, horário de Brasília]

O evento, realizado em inglês, terá tradução simultânea para árabe, francês, português e espanhol. Clique aqui para se inscrever.

Este webinar está sendo organizado pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas em parceria com a UNESCO e com financiamento da Organização Mundial da Saúde e do Programa Multi-doadores da UNESCO sobre Liberdade de Expressão e Segurança de Jornalistas.

UNESCO KC logos

Os termos usados e a apresentação do material nesta publicação não significam a expressão de qualquer opinião por parte da UNESCO sobre a situação jurídica de qualquer país, território, cidade ou área, ou sobre suas autoridades, ou sobre a delimitação de suas fronteiras ou limites.
As opiniões expressas nesta publicação são de responsabilidade dos autores. Elas não são necessariamente as da UNESCO e não comprometem a Organização
.