texas-moody
Blog

Diversidade no jornalismo e nas redações pode ser um fator de transformação social, afirmam os autores do novo e-book 'Diversidade no Jornalismo Latino-Americano'

O jornalismo pode ser um fator chave para erradicar problemas profundamente enraizados na América Latina, como discriminação, racismo, violência e polarização, mas, para isso, os jornalistas precisam incorporar uma perspectiva de diversidade e inclusão, tanto em suas narrativas quanto em suas redações.

Estas foram as conclusões de Andrea Medina, María Teresa Juárez, Jamile Santana e Eladio González, vários dos autores de artigos no e-book em espanhol, "Diversidade no Jornalismo Latino-Americano", que foi lançado virtualmente no sábado, 17 de julho de 2021, durante a conferência anual da Associação Nacional de Jornalistas Hispânicos dos Estados Unidos (NAHJ).

Ebook launch panel

Rosental Alves, Mariana Alvarado e María Teresa Juárez (topo), Andrea Medina, Jamile Santana, e Eladio González (abaixo)

 

 

A apresentação foi moderada pelo professor Rosental Alves, diretor do Centro Knight para o Jornalismo nas Américas da Universidade do Texas em Austin, e contou com uma introdução da jornalista mexicana Mariana Alvarado, que atuou como editora do e-book

Adotar um olhar diversificado e inclusivo na cobertura e na dinâmica das redações contribuiria para um diálogo muito mais democrático na sociedade, segundo María Teresa Juárez, jornalista e roteirista mexicana, colunista do meio digital Pie de Página e membro do conselho de administração da organização Periodistas de a Pie.

“O jornalismo pode ser um fator de transformação social porque temos em nossas mãos a linguagem que é a ferramenta que pode abrir portas e transformar culturalmente”, disse Juárez, que escreveu o artigo “Jornalismo e a agenda anti-racista: tecendo outras narrativas”.

A jornalista falou sobre como, nos últimos anos, estudos acadêmicos e estatísticos mostraram que no México o tom da pele influencia diretamente o acesso das pessoas a melhores oportunidades. O jornalismo é desafiado, disse ela, a levar essas descobertas em consideração para ajudar a parar de perpetuar as ideias de superioridade com base no tom de pele.

“Continuamos a ver que nas redações o termo 'raça' é usado como um termo genérico para se referir às diferentes diversidades etnolinguísticas do mundo”, disse ela. “Raças não existem, mas o racismo existe e nada melhor do que o jornalismo, que é o veículo da comunicação de massa por meio de palavras, imagens e sons, para mudar essas narrativas que prevaleceram não só no México, mas na América Latina.”

A mídia também tem o grande poder de contribuir para quebrar estereótipos que afetam diversos setores da sociedade, disse Andrea Medina, que escreveu o artigo “O papel da mídia na mudança de paradigma da deficiência”.

A jornalista chilena escreveu em seu texto sobre tudo que um comunicador deve saber para cobrir notícias sobre pessoas com deficiência e sobre como mudar o enfoque assistencialista e piedoso para um enfoque que promova os direitos dessa população.

Medina, que experimentou na pele como é ser estereotipada por uma condição de deficiência, exortou seus colegas a se informarem e pararem de perpetuar estereótipos na mídia, bem como a ouvir diretamente as pessoas com deficiência para promover sua inclusão na sociedade.

"É importante que nossa voz seja ouvida, não a voz do familiar ou das pessoas que cuidam de nós, porque quem melhor para dar uma opinião sobre o que está acontecendo conosco?" ela disse. “Essa é outra mensagem que quero passar para vocês neste artigo: que além de gerar notícias na perspectiva dos direitos, ouvir as pessoas com deficiência, incluí-las, gerar inclusão. A deficiência não é dada pelas condições de saúde de cada pessoa, mas pelas barreiras sociais. ”

Outro dos setores que sofrem a perpetuação de estereótipos é a comunidade LGBT+. A cobertura jornalística que este grupo comumente recebe nos países latino-americanos provém de abordagens de violência, discriminação e homofobia. No entanto, em 2019, a revista mexicana Expansión contribuiu para mudar essa narrativa.

A publicação, especializada em negócios, lançou a primeira lista de empresários que estavam "fora do armário" no México, o que contribuiu para entender a importância da inclusão no mundo dos negócios, segundo Eladio González, que escreveu sobre o projeto em a matéria "O ano em que a Expansión colocou a inclusão de LGBT+ na agenda empresarial mexicana".

“Foi um exercício muito interessante. No primeiro ano, mal chegamos a 40 (executivos da lista) e neste ano o número de candidatos ultrapassou 200”, disse González, que é o editor-geral da Expansión. “Tornou-se uma questão de reputação para as empresas e uma questão de compromisso para esses próprios executivos, que acreditam que, com sua visibilidade, podem fazer com que a questão da inclusão e da diversidade já esteja em pauta nas discussões empresariais.”

A jornalista brasileira Jamile Santana foi a responsável pela reportagem “Sim, é possível medir a construção da diversidade e seu impacto nas redações”, na qual falou sobre o programa de diversidade promovido pelo Laboratório de Jornalismo Énois, onde trabalha como gerente de jornalismo .

O programa, desenvolvido em 2020, selecionou 10 repórteres que foram colocados em 10 redações de diferentes perfis e em diferentes regiões do Brasil a fim de construir mudanças que tornassem cada meio de comunicação mais representativo na sua produção de conteúdo jornalístico, na sua cultura e na sua gestão.

“Compartilhamos ferramentas para que as redações possam promover a diversidade de diferentes maneiras”, disse Santana. “Como há muita complexidade na promoção da diversidade, desenvolvemos uma metodologia para monitorar o desenvolvimento da redação. É possível saber quais áreas merecem mais atenção para que a diversidade faça parte do dia a dia da redação”.

Ebook on diversityA organização desenvolveu oito etapas para alcançar a diversidade em redações de todos os portes e criou uma caixa de ferramentas para promover a diversidade no dia a dia da equipe e causar impacto nos públicos e consequentemente na sustentabilidade do meio.

“Sabemos que nossas experiências como negros, mulheres, pessoas trans têm um grande impacto na profissão jornalística, por isso é muito importante não só manter esses profissionais nas redações, mas também acompanhá-los, mantê-los à vontade nesses ambientes para que possam trazer suas experiências e compartilhar sua diversidade na produção jornalística”, disse Santana.

O projeto incluiu a criação de uma fórmula para medir o progresso da redação em direção à diversidade em todo o programa.

“Como a criação de métricas é uma tendência em todo o mundo, as redações precisam recorrer aos dados para criar estratégias mais precisas e justas para que o jornalismo se torne mais representativo”, disse Santana.

A falta de diversidade nos conteúdos midiáticos também contribui para a narrativa de polarização que as sociedades latino-americanas estão vivenciando, pois incentiva a formação de ideias radicais e discursos de ódio sobre grupos específicos.

“A mídia não deve entrar para jogar esse jogo de polarização. Como praticamente todo mundo neste livro diz: incluir a diversidade na narrativa jornalística e nas redações faz parte da solução”, disse González.

Mariana Alvarado acrescentou que é hora do jornalismo atingir todos os grupos da população, sem exceção. E isso só será alcançado por meio de uma visão da diversidade e da criação de mais mídias de nicho.

“Estamos todos casados ​​com a ideia de que o jornalismo é um serviço público e nosso dever como jornalistas é chegar a absolutamente todos”, disse ela. “Nesse sentido, acho importante que vejamos a inclusão e a diversidade, não como uma moda, mas como algo que veio para ficar e que deve ser o início de uma nova era no nosso grande trabalho informativo”.

O professor Alves agradeceu ao NAHJ por ceder espaço para a apresentação do e-book e reconheceu a luta histórica da instituição pela diversidade na mídia dos Estados Unidos.

“Acredito que na América Latina temos muito que aprender e buscar inspiração nessa longa experiência que os jornalistas têm aqui nos Estados Unidos em suas lutas pelos direitos civis, pela diversidade, pela equidade e pela inclusão, essas três palavras que são tão grandes e tão importantes e que estão se tornando um grande grito por justiça social no mundo”, disse o professor.

O e-book, que está disponível em espanhol e pode ser baixado gratuitamente no site JournalismCourses.org, é o culminar de uma iniciativa de apoio à diversidade no jornalismo na América Latina promovida pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas, com o apoio da a Iniciativa Google Notícias.

A primeira etapa da iniciativa foi o MOOC (curso massivo, aberto, online) “Diversidade em Notícias e Redações”, ministrado pelo jornalista peruano Marco Avilés em janeiro de 2021. Este MOOC reuniu 1.921 alunos de 50 países. Isso agora está disponível como um curso autodirigido em JournalismCourses.org.

A segunda etapa foi a 1ª Conferência Latino-Americana de Diversidade em Jornalismo, evento virtual realizado nos dias 26 e 27 de março do mesmo ano, com 2.120 inscrições. A conferência pode ser assistida no YouTube.