texas-moody
Blog

Dicas para cobrir a COVID-19 no Norte da África e no Oriente Médio

Khalid Bencherif é um jornalista freelancer premiado do Marrocos, especializado na cobertura de questões ambientais, políticas e sociais no Norte da África e no Oriente Médio.

Este artigo especial também está disponível em inglês, árabe, francês e espanhol.

 

RABAT, Marrocos - A pandemia mergulhou o mundo em um ciclo rápido e interminável de emergência, de modo que o público e os jornalistas tiveram que acompanhar as últimas notícias e os desenvolvimentos do vírus constantemente. Mas isso nos impediu de ver a floresta pelas árvores, pois a pandemia teve profundos efeitos que atingiram vários aspectos da vida, desde a saúde e a educação até a situação econômica e política, cujo verdadeiro tamanho só recentemente foi revelado.

Nesse contexto, o jornalismo em profundidade torna-se mais importante na região do Oriente Médio e do Norte da África para melhorar a compreensão do público árabe sobre os efeitos complexos e inter-relacionados da pandemia nas comunidades locais.

Ângulos importantes para cobrir

Cobrindo COVID-19 no Sul GlobalA pandemia do coronavírus tem afetado o mundo de várias maneiras, às vezes invisíveis em vários aspectos da vida, e esses efeitos variam de uma sociedade para outra, de acordo com a gravidade desses efeitos para cada região.

A região do Oriente Médio e Norte da África pode não ter sido tão afetada em termos de infecções e mortes relacionadas à COVID-19 em comparação com a Europa e as Américas, mas a pandemia teve consequências terríveis em outros aspectos. Portanto, é importante focar na produção de histórias que abordem as prioridades do público árabe e os problemas da região, descritos a seguir.

O papel do coronavírus no aprofundamento da desigualdade e da pobreza

A crise do coronavírus aumentou ainda mais a distância entre as classes sociais. Os ricos permaneceram relativamente longe dos efeitos da pandemia, e alguns deles aumentaram sua riqueza, enquanto a crise infligiu o maior dano aos pobres, que perderam seus modestos empregos. Muitos deles ficaram desempregados. Isso, por sua vez, aumentou seu sofrimento.

A Oxfam afirma que a riqueza dos bilionários na região do Oriente Médio e Norte da África aumentou em quase US$ 10 bilhões desde o início da pandemia, enquanto 45 milhões de pessoas na região se juntaram ao pântano da pobreza como resultado da pandemia.

É por isso que é importante cobrir a desigualdade e as disparidades de classe causadas pela pandemia. Por exemplo, os jornalistas podem produzir histórias aprofundadas sobre fome, desigualdade na saúde e educação, desemprego, queda dos salários, lucros dos ricos durante a pandemia, pobreza e privação, Lei do Imposto sobre Riqueza, etc.

Corrupção financeira no contexto da pandemia

A emergência da pandemia do coronavírus forçou vários países da região árabe a mobilizar orçamentos enormes estimados em bilhões de dólares, por meio de fundos de impostos, empréstimos e subsídios ocidentais para apoiar seus sistemas de saúde esfarrapados e socorrer seus cidadãos pobres.

Em uma época em que os profissionais de saúde em hospitais públicos estavam lutando contra a pandemia do coronavírus e arriscando suas vidas, negociantes de crises, lobistas, empresas e pessoas influentes estavam explorando e lucrando com a pandemia, saqueando fundos alocados para saúde e apoio social. Isso criou uma crise de suborno e corrupção.

Na verdade, a corrupção no contexto da COVID-19 levou António Guterres, o Secretário-Geral das Nações Unidas, a fazer uma declaração oficial: “A resposta ao vírus está criando novas oportunidades para explorar a supervisão fraca e a transparência inadequada, desviando fundos de pessoas em sua hora de maior necessidade”, disse ele.

É aí que reside a importância do trabalho dos jornalistas investigativos para cobrir várias formas de corrupção no contexto da pandemia, como esbanjamento de fundos públicos, compra de materiais e equipamentos de saúde fraudulentos, suborno, adulteração de contas, aumento de gastos públicos, acordos com conluio, práticas de monopólio, saques e assim por diante.

Manifestações de governos explorando a pandemia para consolidar o autoritarismo

A supressão da liberdade de expressão no Oriente Médio não é nova, mas se intensificou durante a pandemia, à medida que governos no Oriente Médio e no Norte da África exploraram a pandemia para aprofundar a repressão, de acordo com o relatório do Instituto de Estudos de Direitos Humanos do Cairo. Isso é feito por meio de abuso de poder, silenciando críticos, ativistas e oponentes e enfraquecendo ou fechando instituições cívicas, minando os mesmos sistemas de responsabilização necessários para proteger a saúde pública.

Muitos países árabes testemunharam prisões e amplas campanhas para consolidar o autoritarismo sob o pretexto do “estado de emergência sanitária” vinculado à pandemia e realizaram prisões de jornalistas e julgamentos de ativistas, evitando protestos pacíficos e reuniões públicas.

Os jornalistas devem cobrir esta exploração política da crise do coronavírus e como ela está causando abusos aos direitos humanos, destacando cuidadosamente as práticas autoritárias às vezes usadas pelos governos da região, incluindo medidas arbitrárias contra os não vacinados ou aqueles que rejeitam a vacinação obrigatória, julgamentos de jornalistas e ativistas e leis ilegais (legislação que é aprovada rapidamente enquanto o público está preocupado com a pandemia).

Problemas de saúde mental

A Organização Mundial de Saúde descreveu a pandemia de coronavírus como um "choque coletivo" para pessoas em todo o mundo, que levou a uma deterioração generalizada da saúde mental dos cidadãos.

Na região árabe, a saúde mental não tem uma grande conscientização entre as pessoas, isso sem falar na ausência de infraestrutura de atenção à saúde mental. No entanto, as restrições da pandemia levaram a graves problemas de saúde mental e psicológica na região, que começaram a se manifestar em crimes e suicídios recorrentes. A saúde mental pública provavelmente continuará a se deteriorar nos próximos anos, à medida que as pressões econômicas persistem, especialmente em países economicamente frágeis.

Os jornalistas têm a responsabilidade não apenas de abordar vários problemas psicológicos, mas também de esclarecer a opinião pública sobre a importância de remover o estigma da saúde mental. Eles também podem informar o público sobre os recursos de apoio psicológico e as soluções disponíveis para promover a saúde mental.

Tendências de “notícias falsas”

“Notícias falsas” floresceram sob a pandemia do coronavírus em grande escala, especialmente nas plataformas de mídia social, o que pode prejudicar os esforços de saúde pública e aprofundar ainda mais o problema na região árabe.

Nestes tempos, os jornalistas são obrigados a refutar notícias falsas “verificando a exatidão e não exagerando, bem como sempre referindo-se a fontes confiáveis, como revistas científicas, recursos da OMS, gabinetes de ministérios da saúde e especialistas, para obter informações e notícias relacionadas à COVID-19 ”, disse Ashraf Amin, chefe do Departamento de Ciência e Saúde do jornal Al-Ahram no Egito.

Não basta refutar notícias falsas. Às vezes, os jornalistas são obrigados a se aprofundar no motivo de sua popularidade entre o público. Por exemplo, muitos dos que rejeitam a vacina podem ter um bom motivo, como ser forçado a tomá-la ou não ter informações suficientes sobre a segurança da vacina e o processo de vacinação de seu governo.

Dicas para cobrir a pandemia

Ser jornalista na era digital e na região árabe não é fácil; você está sempre trabalhando sob pressão e com baixos salários, enquanto concilia as demandas diárias para preparar notícias e acompanhar histórias de rotina. Da manhã à noite, você mal encontra tempo para recuperar o fôlego, muito menos para produzir histórias aprofundadas sobre as repercussões da pandemia do coronavírus.

Mas acredite em mim, você não precisa fazer isso; você pode ser mais produtivo e, ao mesmo tempo, mais confortável e mais lucrativo no trabalho. Como é isso? A resposta: trabalhar de forma inteligente, com foco na qualidade.

Estas etapas o ajudarão a chegar lá:

Foco em jornalismo de qualidade

Jornalismo de alta qualidade significa histórias jornalísticas que vão além de responder às perguntas usuais das notícias - quem, o quê, onde e quando - para focar na questão de como e por quê, proporcionando uma compreensão profunda e confiável de um determinado assunto.

A região árabe precisa desesperadamente desse tipo de jornalismo para informar melhor a opinião pública sobre os desenvolvimentos do coronavírus, incluindo jornalismo investigativo , jornalismo narrativo, jornalismo de dados, jornalismo de soluções e jornalismo visual .

Aprender a dominar uma dessas formas de jornalismo de qualidade será benéfico para melhorar a qualidade de suas histórias sobre a pandemia e de sua carreira.

Você pode se inspirar nestes exemplos de jornalismo de qualidade, publicados em 2021:

-  A vila fantasma

-  Ain Sokhna .. Game of Thrones

-  Síria: um mercado para cadáveres e uma corretora "lucrativa" para os restos mortais

-  Imóveis cristãos no Iraque... Apropriação organizada por falsificação e força de tropas

-  5 dados gráficos para entender a magnitude da taxa de mortalidade da Covid-19 na Tunísia

-  6 maneiras pelas quais os pais podem apoiar seus filhos durante a pandemia da COVID-19

-  Explosão de Beirute: a jornada de gases tóxicos e seus efeitos nocivos ao meio ambiente

Planeje bem sua história

A qualidade de uma história decorre principalmente de três características: a originalidade e a importância da ideia, a confiabilidade do conteúdo e a estética da apresentação. Portanto, antes de mergulhar no trabalho de seu tópico, planeje bem sua história nesses três níveis. Isso vai economizar muito tempo e esforço. Faça a si mesmo estas perguntas:

  • A sua ideia está bem definida? (Quanto mais específica, melhor.) Sua ideia tem valor? O público precisa disso?
  • Tome seu tempo para escolher o ângulo apropriado para sua história e use os tópicos que sugerimos anteriormente. "A melhor maneira de se ter uma grande ideia é ter muitas", disse Linus Pauling, químico quântico e duas vezes ganhador do Prêmio Nobel.
  • Quais são as fontes que você usará para coletar as informações? Eles são fontes confiáveis ​​e especializadas?
  • Evite fontes não especializadas e pesquisadores generalistas. Em vez de entrevistar profissionais de saúde que não tenham experiência em doenças infecciosas, tente encontrar profissionais que tenham.
  • Que tipo de jornalismo você adotará (reportagem, reportagem investigativa, artigo analítico ou explicativo...)?
  • Qual é o melhor meio para contar sua história?
  • Que elementos visuais você usará em sua história (fotos, mapas interativos, vídeos, infográficos...)? Como você os usará para servir à sua história?
  • Você pode usar recursos visuais para mostrar dados estatísticos e cenas descritivas?
  • Qual é o seu cronograma de finalização? Qual é o seu plano de publicar?

Tente redirecionar sua história escrita, por exemplo, na forma de um infográfico, uma história ilustrada ou um pequeno vídeo e publique-o nas plataformas sociais mais populares do seu país.

Faça sua história interessante e atraente

Não basta que sua história seja autêntica; também precisa ser atraente, interessante e relevante, para fazer com que o público leia sua história até o fim. Com isso em mente, certifique-se de:

  • Escrever de forma simples, compreensível e clara. Isso o ajudará a transmitir sua mensagem aos leitores com mais facilidade.
  • Localizar sua história, pois seu público sem dúvida preferirá questões que dizem respeito a eles e à sua situação local, não aquelas que acontecem em outro lugar.
  • Concentrar-se no lado humano. "Nem todas as histórias são adequadas para trabalhar como matéria-prima, mas os jornalistas devem procurar histórias inspiradoras e comoventes, mesmo que algumas delas sejam dolorosas", disse a premiada jornalista marroquina Magda Ait El Kataoui.
  • Usar dados e estatísticas para tornar sua história precisa. Considere a criação de recursos visuais relacionados para que seu texto não seja embalado com números.
  • Certificar-se de alocar espaço em sua história para soluções, pontos brilhantes e métodos de adaptação aos problemas que você está abordando. Esses são ângulos importantes que os jornalistas costumam ignorar na era sombria da pandemia.

Recursos e ferramentas adicionais

Por fim, aqui estão alguns recursos e ferramentas para ajudar jornalistas no Norte da África e no Oriente Médio a cobrir a pandemia do coronavírus e questões relacionadas:

Guia de verificação para jornalistas  https://bit.ly/3H4p7uD


Sobre este artigo
Esta história faz parte de uma série de artigos escritos por jornalistas de ciência/saúde que ofereceram as melhores práticas e percepções sobre a cobertura da COVID-19. Esses artigos estão sendo publicados como parte de uma iniciativa do Centro Knight patrocinada pela UNESCO e com financiamento da Organização Mundial da Saúde. Para ler mais sobre os artigos, clique aqui. Além disso, acesse os artigos em vários idiomas aqui:

Além disso, junte-se a nós no webinar "Variantes, vacinas e medicamentos: o que os jornalistas precisam saber para melhorar a cobertura da COVID-19" na quinta-feira, 27 de janeiro, das 9h às 12h, horário central dos EUA (GMT -6). [Alternativelly, 12h às 15h, horário de Brasília]

O evento, realizado em inglês, terá tradução simultânea para árabe, francês, português e espanhol. Clique aqui para se inscrever.

Este webinar está sendo organizado pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas em parceria com a UNESCO e com financiamento da Organização Mundial da Saúde e do Programa Multi-doadores da UNESCO sobre Liberdade de Expressão e Segurança de Jornalistas.

UNESCO KC logos

As designações empregadas e a apresentação do material ao longo desta publicação não implicam a expressão de qualquer opinião por parte da UNESCO sobre a situação jurídica de qualquer país, território, cidade ou área ou de suas autoridades, ou sobre a delimitação de suas fronteiras ou limites.
Os autores são responsáveis ​​pela escolha e apresentação dos fatos contidos nesta publicação e pelas opiniões nela expressas, que não necessariamente são da UNESCO e não comprometem a Organização.