Como desbancar as "fake news"

e nunca mais chamá-las por esse nome


Instrutores: Angela Pimenta, Fábio Gusmão,

Bárbara Libório e Pedro Burgos





Esta página de recursos apresenta conteúdo do MOOC “Como desbancar "fake news" e nunca mais chamá-las por esse nome”, realizado pelo Centro Knight para o Jornalismo em parceria com a Associação Nacional dos Jornais e apoio da Google News Initiative. Este curso massivo em português de quatro semanas aconteceu de 5 de agosto a 2 de setembro de 2018. Agora, disponibilizamos o conteúdo gratuitamente para os alunos que fizeram o curso e para qualquer pessoa interessada em aprender as etapas do trabalho de checagem e verificação, como desbancar sites e notícias fabricadas, memes e vídeos manipulados que surgem nas redes.


O curso foi ministrado por quatro reconhecidos profissionais brasileiros: Angela Pimenta, Fábio Gusmão, Bárbara Libório e Pedro Burgos. O conteúdo do curso inclui aulas em vídeo e tutoriais, leituras, exercícios e muito mais.


Os materiais estão divididos em quatro módulos:

  • Módulo 1: Apresenta os diferentes tipos de pesquisa, como são feitas, para que servem, quem são os principais atores desse mercado, quais os erros de divulgação mais frequentes, como identificar pesquisas bem feitas e saber analisá-las em profundidade.
  • Módulo 2: Aborda o uso do Google Trends e como a ferramenta permite consultar os interesses de busca das pessoas, de maneira histórica e, também, em tempo real. Mostra como explorar essa vasta base de dados e encontrar estatísticas sobre o que eleitor busca no processo de decidir o seu voto.
  • Módulo 3: Apresenta diferentes tipos de coletas de dados sobre candidatos disponíveis em fontes da esfera federal e que usualmente se encontram nos estados.
  • Módulo 4: Ensina onde encontrar dados sobre eleições, como interpretar corretamente as taxas de abstenção por município e por Estado, como analisar melhor o fenômeno dos votos nulos, como fazer mapas de resultados eleitorais e correlacionar resultados eleitorais com indicadores sociais em cada município.

Ao revisar esta página de recursos, incentivamos você a assistir aos vídeos, ler as leituras e concluir os exercícios conforme o seu tempo permitir. Os materiais do curso se complementam, mas os vídeos e as leituras também funcionam como recursos autônomos que podem ser consultados de acordo com a necessidade de cada um.


Esperamos que você aproveite os materiais e os compartilhe com outras pessoas interessadas em aprender a lidar com o fenômeno da desordem da informação. Se você tiver alguma dúvida, entre em contato conosco pelo e-mail knightcenter@austin.utexas.edu.



SOBRE OS INSTRUTORES



Angela Pimenta é jornalista e presidente do Projor – Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo desde julho de 2015. Mestre em jornalismo pela Universidade Columbia, é coordenadora do Projeto Credibilidade, o capítulo brasileiro do Trust Project. Coordena também o projeto Atlas da Notícia, que visa mapear o jornalismo local no Brasil. Foi editora-sênior da revista Exame em Brasília e representante da Online News Association no Brasil (2009-2014). É co-autora do Manual da Credibilidadee do Manual GPI Eleições 2016.






Fábio Gusmão Jornalista possui MBA Executivo em Administração pela COPPEAD-UFRJ. Formado há 23 anos, está há 20 nos jornais EXTRA e GLOBO, é editor da editoria Radar e do Núcleo de Checagem e de Jornalismo de Dados da Editora Globo. É o criador do case #Éboato #Éverdade, em 2010, que combateu a difusão em massa de informações falsas nas redes sociais. Em junho de 2013, implementou o WhatsApp para jornalismo colaborativo e relacionamento com os leitores no Extra, tornando-se o primeiro veículo de comunicação no mundo a usar o APP com esse fim. O case foi finalista da categoria Inovação no Digital Media Latinoamerica 2014, promovido pela WAN-Ifra (associação mundial de jornais). Gusmão ganhou vários prêmios de jornalismo como o Prêmio Esso de Reportagem, Prêmio Embratel, XXII Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo, Tim Lopes de Jornalismo Investigativo e menção honrosa no XXVII Prêmio Vladimir Herzog. Escreveu ainda os livros Dona Vitória da Paz (Ed. Planeta, 2006) e foi coautor da biografia de Marina Maggessi, ex-deputada federal e inspetora da Polícia Civil do Rio de Janeiro (Ed. Objetiva/Grupo Santillana, 2008).

<


Bárbara Libório é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e especializada em investigação, dados e visualização pela Universidad Rey Juan Carlos e pela Escuela de Periodismo da Unidad Editorial, dona do jornal espanhol El Mundo. Passou pelas editorias de economia de grandes veículos brasileiros como os portais Exame.com e iG, e o jornal Folha de S. Paulo. Foi repórter da revista semanal IstoÉ, onde escrevia sobre política, economia, mundo e comportamento. Desde 2016 atua como checadora no Aos Fatos, o primeiro veículo brasileiro voltado exclusivamente para a verificação do discurso público. Começou como repórter, cobrindo o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, as eleições municipais de 2016 e a crise política do governo Michel Temer em 2017, e hoje trabalha como editora. É também editora-adjunta do Canal Meio.




Pedro Burgos é jornalista e programador. É fundador do Impacto.jor, projeto que mede o impacto do jornalismo na sociedade, e é apoiado pelo Google News Initiative, ICFJ e Projor. Antes de desenvolver robôs e uma metodologia para medir impacto, cobriu tecnologia e educação para uma série de publicações, como revista Superinteressante, Folha de S. Paulo e Gizmodo Brasil. É autor de Conecte-se ao que importa: Um manual para a vida digital saudável (LeYa), que trata, entre outros assuntos, sobre como navegar um mundo com excesso de informação. No Knight Center, foi instrutor do curso de Introdução a Programação para Jornalistas usando Python. Nos últimos dois anos, tem construído sistemas para monitoramento de redes sociais e publicado artigos sobre o tema.






Desbancando os boatos

Ângela Pimenta

Ao final da primeira semana, você terá aprendido:

  • Conceitos básicos 1: verdade, mentira, fato, pós-verdade e pós-fato e viés de confirmação
  • Conceitos básicos 2: informação incorreta, desinformação e mal-informação
  • Os elementos da desordem da informação: agente, mensagem e intérprete
  • As fases do processo: criação, reprodução e distribuição
  • Por que não devemos usar o termo "fake news"
  • O que é checagem e o que é verificação
  • Por que a verificação importa: mencionar o projeto Comprova
  • Estudos de caso: o ecossistema da desinformação

Vídeo-Aulas (Obrigatórias)

1. Conceitos básicos

2. Desordem da informação

3. Por que não usar o termo "fake news"?

4. Checagem e verificação

5. Projeto Comprova

6. Espectro da desinformação



Archivos

TranscriçõesSlides



Hangout: Vídeo convidada da semana: Adriana Garcia, projeto Comprova



Leituras (Obrigatórias)

1. Manual de credibilidade: Introdução[Projeto Credibilidate]

2. Manual de credibilidade: Conceitos[Projeto Credibilidate]

3. Manual de credibilidade: Desordem da Informação[Projeto Credibilidate]

4. Manual de credibilidade: Checagem e verificação[Projeto Credibilidate]



Materiais de referência

1. Jornalismo e democracia [Projeto Credibilidate]

2. Desinformação na história [Projeto Credibilidate]

3. Glossário essencial da desinformação[Projeto Credibilidate]

4. Indicadores do projeto credibilidade/the trust project[Projeto Credibilidate]

5. O que caracteriza o mau jornalismo[Projeto Credibilidate]

6. Indo mais fundo[Projeto Credibilidate]

4. Manual de credibilidade: Checagem e verificação[Projeto Credibilidate]




Verificação de origem

Pedro Burgos

Ao final da segunda semana, você terá aprendido:

  • O que é a verificação de origem
  • Como identificar criadores de sites
  • Como buscar a data e origem de imagens e vídeos digitais
  • Como ver alterações no texto de notícias ao longo do tempo
  • Como saber quais perfis nas redes sociais influenciaram no impulsionamento de diferentes notícias

Vídeo-Aulas (Obrigatórias)

1. Introdução

2. Verificação de origem

3. Busca de data

4. Como saber os perfis que impulsionam a desinformação



Hangout: Convidado da semana: Pablo Ortellado, USP



Leituras (Obrigatórias)

1. A ciência explica por que caímos em fake news [SUPER INERESSANTE]

2. Como saber se uma notícia é falsa? [globo]

3. O mercado lucrativo de notícias falsas [vazafalsiane]

4. Como usar o wayback machine no site da Internet archives [abcarticulos]

5. Ferramentas de verificação [verificationhandbook]



Materiais de referência

1. Seis dicas de investigação na web por Paul Myers, da BBC [escoladedados]

2. O problema de se identificar notícias falsas [GIZMODO]

3. Por que nem sempre adianta apresentar fatos contra notícias falsas [BBC]

4. Como combater a influência de bots e notícias falsas sobre as eleições? [dw]

5. Monitoring social media for misinformation, part two [FIRST DRAFT]



Pegadas digitais e o registro do tempo

Bárbara Libório

Ao final da terceira semana, você terá aprendido:

  • A importância dos detalhes na verificação
  • Algumas checklists de apoio
  • Usar redes sociais como rádio-escuta
  • Ferramentas para encontrar as “pegadas digitais” de alguém
  • As “bandeiras-vermelhas” do perfil de um usuário
  • Por que é importante verificar datas e como fazê-lo


  • Vídeo-Aulas (Obrigatórias)

    1. Rastreando as pegadas digitais de pessoas

    2. Ferramentas para encontrar pegadas digitais - parte I

    3. Ferramentas para encontrar pegadas digitais - parte II

    4. Checando marcas temporais



    Hangout: Convidado da semana: Edgard Matsuki, Boatos.org



    Archivos

    TranscriçõesSlides



    Leituras (Obrigatórias)

    1. Manual de verificação (EJC)

    2. Operadores de busca do Twitter

    3. Como encontrar qualquer pessoa online [GIZMODO]

    4. Como encontrar uma pessoa usando a internet [incrivel]



    Materiais de referência

    1. Lista de sites e ferramentas para verificação (por Gabriela Caesar) [contra-as-fake-news]

    2. Online Research Tools and Investigative Techniques [Global Investigative Journalism Network]



    Geolocalização

    Fábio Gusmão

    Ao final da terceira semana, você terá aprendido:

  • Como encontrar as pistas e verificar localizações
  • Introdução ao Google Maps
  • Manipulação de localizações
  • Outras ferramentas de mapeamento

  • Vídeo-Aulas (Obrigatórias)

    1. Encontrando as pistas

    2. Verificando localizações

    3. Truques avançados do Google Maps

    4. Verificando localizações para hardnews

    5. Técnicas para evitar manipulação de localizações



    Hangout: Convidado da semana: Thiago Reis, G1



    Leituras (Obrigatórias)

    1. Manual para identificar notícias falsas [O Globo]

    2. 9 dicas para verificar autenticidade de vídeos e fotos [Aos Fatos]

    3. 14 dicas para montar um projeto de checagem [Aos Fatos]



    Materiais de referência

    1. Mapa do Snapchat [snapchat]

    2. Postagens no YouTube usando geolocalização [Youtube]

    3. Bellingcat’s - digital investigation toolkit [bellingcat]

    4. Geolocating the Walter Scott shooting [bellingcat]

    5. Online investigations with open-source information (em inglês) [first draft]

    6. How to put men on the map Google maps on steroids (em inglês) [medium]